Não, obrigada, eu NÃO quero ser uma Parisiense!

Se você gosta de ler sobre moda, provavelmente já leu ou pelo menos ouviu falar no livo “A Parisiense”. Conhecido como a “Bíblia” para viver segundo o chique parisiense, escrito pela modelo Inès de la Fressange.

Há algum tempo eu li o livro, e por muitas vezes fiquei um tanto quanto aborrecida e chateada, me perguntava sempre “quem disse que eu quero ser ou parecer com uma parisiense?”, e “quem disse que as mulheres parisienses são tão elegantes, ou tão melhor que as outras do mundo inteiro para que queiramos ser como elas?” Ok eu comprei o livro porque quis, sim, comprei porque senti curiosidade depois de tanto ouvir falar sobre ele, mas foi uma decepção.

Vivemos hoje em dia numa sociedade tão competitiva, que até mesmo o ato de vestir virou uma disputa, quem conhece e segue todas as regras do livro X, Y ou B está ne frente e é mais estilosa…. Será?

Não. Nem todas são assim, muitas de nós quer apenas vestir-se bem, sentir-se bonita, elegante e claro, aproveitar também um pouco das tendências e da moda. Mas para termos estilo é preciso seguir regras de uma parisiense e nos transformarmos numa também? O estilo pessoal consiste em usar peças que falem a respeito de quem você é, se você segue um manual do que vestir irá se tornar igual as outras não acha?

Eu fico totalmente indignada com esse tipo de livro ou de matéria sobre Consultoria de Imagem, em que os autores querem dizer o que você pode vestir ou não. Isso simplesmente não existe!

Nós que somos consultores de imagem, sabemos bem que cada pessoa é diferente da outra. É impossível prestar uma consultoria sem ter um contacto pessoal, sem conhecer a silhueta e gosto pessoal de cada um. O que fica bem e mim não fica bem na Ana, o que fica bem na Ana não fica bem na Rita mas fica bem em mim e assim sucessivamente.

Se você quer ajuda para encontrar seu estilo procure um profissional da área, um consultor ou um personal stylist. Por que você vai comprar um livro e começar a seguir todas as regras daquilo? Você quer mesmo ser uma parisiense? Por quê? E você conhece alguma parisiense ou já viveu em Paris para se certificar de que realmente o que está escrito neste livro tem fundamento? Duvido muito que mesmo as próprias parisienses sigam as regras deste livro para se vestirem.

Vamos lá, irei fazer uma análise apenas de uma página de regras do livro:

a-parisiense-1

10- Por que não posso usar jeans com tênis? Mas eu adoro isso, além de ser confortável é tão casual. Dá para trabalhar, passear, ir ao cinema…

9- Saia lápis só com sapatilha? Mas há alguma coisa mais elegante do que uma saia lápis com um belo par de escarpins?

8- Suéter de paetês com saia fica tão lindo…

7- Colar de brilhantes com vestido preto à noite é o que mais se vê no tapete vermelho na premiação do Oscar.

6- Mocassins com short e meia? Vou parecer uma maluca. Não faz meu estilo.

5- Vestido de noite com sandálias com pedrarias seria certamente a minha escolha.

4- Colar de pérolas com vestido sem manga até a Audrey Hepburn usava.

3- Não gosto de botas de motocicleta, muito menos gastas.

2- An? Smoking com tênis? E qual o problema de eu querer ser uma mulher fatal?

1- Vestido de noite com bolsa de palha eu também gosto, mas também com uma carteira dourada usaria, certeza absoluta!

Bom, eu não sei vocês, mas eu não nasci para ser uma parisiense, muito menos para seguir regras de como me vestir. Eu visto o que me faz sentir bem, e não quero saber se vou parecer uma Inglesa, uma Brasileira, uma Parisiense ou uma Angolana. Eu sou o que sou. E não, obrigada, eu NÃO quero mesmo ser uma Parisiense. Eu quero ser eu mesma, sempre, e acredito que isso sim é ter estilo e personalidade.

Mas não pense você que o livro é de todo ruim, há algumas dicas engraçadas no último capítulo, em que a autora dá dicas de lugares para visitar quando for à Paris. Mas isto conseguirá também com um guia de turismo ou até mesmo no google.

Deixo aqui um beijo e um conselho: antes de seguir regras ou de fazer alguma coisa que lhe digam ser o certo, questione-se sempre usando duas palavrinhas: Por quê?

Isso fará você refletir a respeito se quer mesmo fazer isso ou não. Não acredite em guias de estilo, o estilo está dentro de nós, o estilo é a nossa alma, nossa personalidade, ele é a nossa identidade como uma impressão digital, nunca será igual ao de mais ninguém.

Beijos mil e até a próxima.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *